NOTÍCIA | COVID-19

Pandemia de covid-19 no Brasil pode acabar só em novembro, diz estudo

Há apenas uma semana, a previsão da Universidade de Tecnologia e Design de Singapura era de que o surto no Brasil poderia acabar em junho

Por: Exame - Tamires Vitorio
Publicado em 11 de Maio de 2020 , 11h19 - Atualizado 11 de Maio de 2020 as 11h29


SES-MT

Há apenas uma semana, a previsão da Universidade de Tecnologia e Design de Singapura era de que o surto do novo coronavírus no Brasil poderia acabar em junho. Com o avanço rápido da doença no país, que bateu o recorde de 751 mortes em 24 horas nesta sexta-feira, o prazo para o final da pandemia agora ficou para o dia 11 de novembro. De acordo com a pesquisa, o Brasil está vivendo, neste momento, o pico do vírus, que deve começar a diminuir a partir de julho.

Já a previsão para o fim “teorético” da covid-19 em escala global também aumentou. Agora, ficou para o dia cinco de janeiro de 2021 — até dia 28 de abril, a previsão era de controle total até 1 de dezembro; em 6 de maio, era para o dia 31 de dezembro, no Reveillon. O pico da doença no mundo, segundo o estudo, aconteceu em abril deste ano, mês no qual os Estados Unidos, atual epicentro da doença, atingiu a marca de 1 milhão de infectados.

O número de casos confirmados da doença no mundo deve chegar a 4 milhões neste fim de semana. Até o momento, segundo o monitoramento em tempo real da universidade americana Johns Hopkins, 3.959.249 foram infectadas.

A previsão para o fim da doença na Itália, um dos países mais afetados pelo vírus segundo a Johns Hopkins, é para o dia 23 de outubro. A Espanha, segundo país mais afetado, que registrou  novas 179 mortes diárias neste sábado e vai começar a flexibilizar quarentena, pode ver o fim do surto no dia 15 de agosto. Já o Reino Unido, quarto país com o maior número de infectados, deve chegar ao fim do surto no dia 30 de setembro.

O estudo

Como parte da metodologia, o estudo teve como base o modelo epidemiológico SIR, usado no estudo de epidemias, e que considera indivíduos sensíveis (S), infectados (I) e removidos (R). Os considerados sensíveis são as pessoas não infectadas pelo vírus, ou suscetíveis a ele.

Já os infectados são aqueles que foram contaminados e são capazes de transmitir a doença. Por último, os removidos são as pessoas que não têm mais o vírus, seja por imunização ou porque foram a óbito. Uma das principais críticas ao modelo SIR para avaliação das pandemias é exatamente a subnotificação de casos.

Os próprios pesquisadores que realizaram o estudo alertaram que as datas devem ser consideradas com ressalvas, porque há diversas variáveis não previstas na pesquisa e que podem influenciar no tempo de duração da pandemia.

Essas variáveis são fatores como questões demográficas de cada país, a possibilidade de a mesma pessoa ser infectada mais de uma vez pela doença e a taxa de adesão da população às medidas de combate ao coronavírus, como o isolamento social e a quarentena.

Covid-19
Soluti - Exatas Contabilidade
Auto Posto Arinos LTDA
Faculdade Anhanguera
RC Sistemas
Jumasa
Sicredi
Judô





Inviolável



Interessado em receber notícias em seu e-mail?
Nós o notificaremos e prometeremos nunca enviar spam.


2002 - 2020 © showdenoticias.com.br