NOTÍCIA | SUINOCULTURA

Aumento do preço das commodities agrícolas e o risco de micotoxinas na suinocultura

Dados comprovam que as chances de contaminação por micotoxinas são altas, principalmente nos ingredientes usados para a ração de suínos.

Por: Augusto Heck, gerente técnico de Suínos da Biomin
Publicado em 27 de Setembro de 2021 , 08h03 - Atualizado 27 de Setembro de 2021 as 08h07


Reprodução

Os preços das commodities – puxados pela soja e o milho – estão subindo em todo o mundo, fazendo com que muitos suinocultores e avicultores tentem administrar os gastos usando ingredientes alternativos ou, até, reduzindo os padrões de qualidade da ração. Mas isso coloca os animais e, em última análise, as operações em risco? Aqui está o que você precisa saber.

O preço do milho e da soja, duas das principais matérias-primas usadas nas fórmulas de ração para suínos, disparou. As repercussões foram sentidas internacionalmente, com explosivo aumento nos custos de produção, o que resulta no estreitamento das margens de lucro e, às vezes, operação com prejuízo.

O milho, por exemplo, é um ingrediente básico na dieta de suínos. O preço internacional médio é de cerca de US$ 160 por tonelada e especula-se que deverá aumentar para incríveis US$ 180 por tonelada em 2025.

Para mitigar o impacto econômico, muitos sistemas de produção têm adotado estratégias de risco, como flexibilização dos padrões de qualidade na compra de milho. Cuidado. Essa medida pode comprometer diversos quesitos, como umidade, porcentagem de grãos danificados, teor de óleo e contaminação por micotoxinas. Ao comprar soja, por exemplo, os teores de proteína, umidade e fibra bruta – bem como a atividade da ureia e a presença de alguns níveis de micotoxinas – tornaram-se mais “flexíveis”.

Qual a consequência do uso de commodities de qualidade inferior? – Começamos pela necessidade de correção nutricional com agregação de custos extras, às vezes iguais ou maiores que a economia de recursos gerada na compra de grãos de menor qualidade, seguida por maior presença de fatores anti-nutricionais que impactam negativamente nos indicadores zootécnicos, como o ganho de peso e a conversão alimentar. E, o mais perigoso: maior prevalência e níveis de micotoxinas com forte possibilidade de co-contaminação, ou seja, mais de um tipo, exigindo investimentos em produtos para mitigar o impacto ou, caso não sejam adotados, enfrentar a micotoxicose nos animais. Dependendo da concentração de micotoxinas, seus efeitos variam de danos silenciosos e retardados à saúde e ao desempenho dos animais até grandes perdas resultantes de um quadro grave chamado micotoxicose.

Na Pesquisa Global de Micotoxinas da BIOMIN, amostras de quase todos os continentes foram diagnosticados com “alto risco” para micotoxinas produzidas por fungos do gênero Fusarium. Nesse contexto, a Fumonisina (FUM), o Desoxinivalenol (DON) e a Zearalenona (ZEN) são as micotoxinas mais presentes e com maior risco.

Quais os riscos da falta de gerenciamento? – as Fumonisinas podem causar edema pulmonar, nefrotoxicidade e hepatotoxicidade. No entanto, o maior impacto é o aumento de doenças bacterianas respiratórias e entéricas, assim como falhas de imunização. Essas situações ocorrem até em níveis baixos, mas constantes, de Fumonisinas. É exatamente isso que enfrentamos atualmente.

Já a Zearalenona é de difícil eliminação por adsorventes comuns. Sua presença pode causar abortos, falsa gestação, estro prolongado, edema vulvar, prolapso da vagina, aumento do útero, atrofia dos ovários, atrofia testicular, diminuição do interesse sexual e infertilidade. A contaminação preocupa todos os sistemas de produção e especialmente nos com matrizes.

A Pesquisa de Micotoxinas da BIOMIN constatou que 65% das amostras apresentam co-contaminação, ou seja, a presença de duas ou mais micotoxinas. Isso é particularmente crítico nas seguintes combinações: FUM + DON e DON + ZEN. Elas são consideradas sinérgicas, ou seja, uma micotoxina amplifica o impacto da outra.

Esses dados comprovam que as chances de contaminação por micotoxinas são altas, principalmente nos ingredientes usados para a ração de suínos. Na outra ponta, temos a sensibilidade dos suínos a essas substâncias tóxicas produzidas pelos fungos – representam a espécie mais suscetível. Por esse motivo o controle e o gerenciamento de risco de micotoxinas devem integrar as estratégias nutricionais e sanitárias. Importante: de acordo com os riscos de cada região, os ingredientes ou ração pronta devem ser avaliados antes mesmo de chegarem ao comedouro.

Exatas Contabilidade
Sicredi
Covid-19
RC Sistemas
Jumasa
Soluti - Exatas Contabilidade
Auto Posto Arinos LTDA
Jud

JUARA MATO GROSSO



MAIS NOTÍCIAS


Inviolável



Interessado em receber notícias em seu e-mail?
Nós o notificaremos e prometeremos nunca enviar spam.


2002 - 2021 © showdenoticias.com.br