NOTÍCIA | FRAUDES NO BB

Polícia Federal deflagra operação para apurar fraudes em consórcios do Banco do Brasil

Um ex-presidente do BB-consórcio e um ex-diretor executivo, afastados dos cargos em 2020, são alvos da polícia.

Por: Agência Brasil
Publicado em 07 de Abril de 2022 , 06h48 - Atualizado 07 de Abril de 2022 as 06h55


Reprodução PF

A Polícia Federal (PF) deflagrou ontem(6) a Operação Consórcio 200. É para investigar “possível gestão fraudulenta na empresa BB (Banco do Brasil) Consórcio. 

Segundo a PF, a operação está relacionada a um inquérito policial instaurado em 2021, aberto após encaminhamento, pelo Banco do Brasil, de “notícia-crime com o resultado da auditoria de duas operações de consórcio, no valor de R$ 100 milhões, aprovadas como consórcio de veículos, mas utilizadas para outros fins”.

Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Distrito Federal, em São Paulo e no Paraná no âmbito da Operação Consórcio 200.

Um ex-presidente do BB-consórcio e um ex-diretor executivo, afastados dos cargos em 2020,  são alvos da polícia.

De acordo com a PF, as investigações tiveram início em 2021 após o Banco do Brasil encaminhar uma notícia-crime com o resultado da auditoria de duas operações de consórcio, no valor de R$ 100 milhões.

Esses valores eram aprovados como consórcio de veículos, mas utilizados para outros fins.

O pagamento, inclusive, não foi executado regularmente o que obrigou o banco a cobrir parte considerável do contrato.

Segundo a PF, a operação financeira pode ser caracterizada como crime contra o sistema financeiro nacional, com pena de reclusão de 3 a 12 anos e multa.

Se ficar comprovado que os envolvidos que se beneficiaram do dinheiro produto do crime, eles podem ser punidos pelo crime de lavagem de dinheiro.

Cobertura
Os investigadores informaram, ainda, que o pagamento desses valores não foi executado de forma regular, obrigando o banco a cobrir “parte considerável” do contrato.

Para a Polícia Federal, a operação financeira pode ser caracterizada como gestão fraudulenta, crime contra o Sistema Financeiro Nacional que deve resultar em pena de reclusão de 3 a 12 anos, além de multa.

“O uso do produto do crime, após a análise das quebras de sigilo fiscal e financeiro, pode conduzir também ao crime de lavagem de dinheiro”, acrescenta a PF.

Contatado pela Agência Brasil, o BB esclareceu que, após identificar as irregularidades em sua subsidiaria, “informou às autoridades policiais, que iniciaram as investigações”, e que “continua contribuindo com as investigações”, além de se colocar à disposição das autoridades.

De acordo com o banco, “assim que as primeiras informações sobre processos em desacordo com as normas da empresa foram apuradas, o Banco do Brasil tomou providências imediatas”. A primeira delas foi a comunicação às autoridades policiais.

“Em agosto de 2020, o BB destituiu os executivos da BB Consórcios investigados e nomeou novos gestores para facilitar a apuração completa dos fatos e dar continuidade à gestão da empresa”, detalhou o banco ao informar já ter recuperado “praticamente todos os valores envolvidos nas irregularidades”.

Covid-19
Soluti - Exatas Contabilidade
Sicredi
Jud
Auto Posto Arinos LTDA
Exatas Contabilidade

JUARA MATO GROSSO



MAIS NOTÍCIAS


Inviolável



Interessado em receber notícias em seu e-mail?
Nós o notificaremos e prometeremos nunca enviar spam.


2002 - 2022 © showdenoticias.com.br