NOTÍCIA | FAKE NEWS

Alvo da PF, bolsonarista Marcelo Stachin afirma que não fez ameaças ao STF

Marcelo Stachin é um dos alvos da operação contra fake news; mandado, no entanto, não foi cumprido

Por: CÍNTIA BORGES DA REDAÇÃO
Publicado em 27 de Maio de 2020 , 14h39 - Atualizado 27 de Maio de 2020 as 14h41


Reprodução

O empresário bolsonarista Marcelo Stachin negou que tenha feito ataques ou ofendido ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele é um dos alvos da operação da Polícia Federal deflagrada na manhã desta quarta-feira (27), para cumprir mandados de busca e apreensão no âmbito do inquérito do STF contra as fake news. A investigação apura ofensas, ataques e ameaças contra ministros da Corte.

Em entrevista ao MidiaNews, o empresário disse que não há indícios nas suas redes sociais de que ele tenha incitado a violência contra nenhuma instituição.

“Em nenhum momento eu fiz ameaça a uma instituição. Muito pelo contrário. Isso foi construído por alguns sites, mas eu nunca disse que invadiria nenhuma instituição. Disseram até que eu teria treinamento paramilitar. Nunca fiz isso”, disse.

Em nenhum momento eu fiz ameaça a uma instituição. Muito pelo contrário. Isso foi construído por alguns sites, mas eu nunca disse que invadiria nenhuma instituição

“Alguns desses sites têm objetivo de deturpar os movimentos de apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Não acho que tenha feito nenhuma ameaça. Tanto que se procurar na minha rede social, não vai encontrar nada”, completou.

Há quatro dias, em seu instagram, Marcelo postou uma frase dita pelo ministro da Educação Abraham Weintraub em reunião ministerial com bolsonaro no dia 22 março. "Eitaaa Abraham Weintraub. Nosso Orgulho nesse car#%@!", disse o ativista.

Na reunião, o ministro disse: "Por mim, eu colocava esses vagabundos tudo na cadeia... Começando pelo STF"

No início deste mês, Marcelo participou de um vídeo em que o bolsonarista Paulo Felipe convoca a população para invadir o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), em manifestações antidemocráticas na Praça dos Três Poderes em Brasília.

Mandado não cumprido

De acordo com Marcelo, nenhum agente da Polícia Federal ou do STF o procurou para informar sobre a busca e apreensão. “Meu nome está nessa investigação aí?”, indagou.

O empresário estava em um sítio em Nova Mutum (a 240 km de Cuiabá) e está a caminho de Brasília para participar de uma manifestação a favor do presidente da república Jair Bolsonaro.

Ele conta que a Polícia Federal até esta manhã não o havia procurado, nem realizado busca e apreensão a sua residência.

“Eu tenho uma residência em Sinop, mas não recebi ligação nenhuma. Estou em viagem, retornando para Brasília. Não fui procurado por ninguém. Meu endereço não foi procurado. Na minha residência não foram. Mas se eu for, estou à disposição da Justiça”, afirmou o ativista.

A reportagem apurou que os agentes não foram a casa de Stachin porque o imóvel indicado no mandado de busca e apreensão não pertence mais a ele.

Ação da PF

No total estão sendo cumpridos 29 mandados de busca e apreensão determinados pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF.

De acordo com informações preliminares, o ex-deputado federal Roberto Jefferson, o empresário Luciano Hang (dono da Havan), o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) e blogueiro Allan dos Santos são alvos. Os quatro são aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Soluti - Exatas Contabilidade
Covid-19
Faculdade Anhanguera
Sicredi
Jumasa
Judô
Auto Posto Arinos LTDA
RC Sistemas




MAIS NOTÍCIAS


Inviolável



Interessado em receber notícias em seu e-mail?
Nós o notificaremos e prometeremos nunca enviar spam.


2002 - 2020 © showdenoticias.com.br