NOTÍCIA | CRIMINAL

Justiça Federal recebe ação contra Fagundes e dá 10 dias para apresentação de testemunhas

Em troca, o parlamentar teria recebido vantagem patrimonial indevida no valor mínimo de R$ 100 mil, por método de dissimulação da origem dos recursos.

Por: Da Redação Olhar Direto - Arthur Santos da Silva
Publicado em 16 de Agosto de 2019 , 11h17 - Atualizado 16 de Agosto de 2019 ás 11h46


Foto: Rogério Florentino Pereira/ OD

O juiz Paulo Cézar Alves Sodré, da Sétima Vara Federal em Mato Grosso, recebeu ação penal da Operação Sanguessuga enviada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Wellington Fagundes. Despacho no processo dá 10 dias para o parlamentar arrolar até oito testemunhas de defesa. Decisão foi publicada no Diário de Justiça desta sexta-feira (16).“Determino seja intimada a defesa do acusado para que indique, no prazo de 10 (dez) dias, quais fatos se relacionam a cada uma das testemunhas arroladas, observando o limite de 08 (oito) testemunhas por fato delituoso. Com a resposta, retornem os autos para que seja apreciada a manifestação”, afirmou Sodré.
 
A ação penal está relacionada à chamada “operação sanguessuga”. A ministra Rosa Weber, do STF, reconheceu no dia 30 de maio o fim do foro privilegiado do senador Wellington Fagundes.

Acusação descreve o recebimento indevido de valores no período entre 2001 e 2006 pelo então deputado federal, o que teria ocorrido em troca da assinatura de emendas parlamentares autorizando convênios entre União e municípios para a aquisição de ambulâncias.

As aquisições eram direcionadas à empresa Planam, que em troca da operação transferia recursos para a conta do acusado e de seus parentes, por intermédio de empresas vinculadas. 
Segundo o relatado na denúncia, o deputado disponibilizou seu mandato parlamentar em favor de Darci e Luiz Antônio Vedoin, proprietários do grupo Planam, a quem teria garantido recursos por meio de emendas parlamentares, que subsidiaram a aquisição de ambulâncias em vários municípios do Mato Grosso.
Em troca, o parlamentar teria recebido vantagem patrimonial indevida no valor mínimo de R$ 100 mil, por método de dissimulação da origem dos recursos

Em sua decisão, Weber considerou que as condutas imputadas ao réu teriam sido praticadas entre os anos de 2001 e 2005, quando atuava como deputado federal e, por isso, não guardariam relação com a atual função de senador da República.


 

Jumasa
Sicredi
Faculdade Anhanguera
Judô
Exatas Contabilidade
RC Sistemas
Auto Posto Arinos LTDA

0 | COMENTÁRIO
Nenhum comentário foi feito até o presente momento.




MAIS NOTÍCIAS

Inviolável


Interessado em receber notícias em seu e-mail?
Nós o notificaremos e prometeremos nunca enviar spam.


2002 - 2019 © showdenoticias.com.br